domingo, setembro 29, 2013

Carousel

"There are days that take too long and it's those days I wish I had you right here..." 
   Chove lá fora. Você veio como uma tempestade furiosa dentro de mim. Está tudo confuso. Passou-se tanto tempo, tudo mudou tão rápido e tornou-se tão inconstante. Você se foi. Jogou todas as lembranças e momentos fora, esqueceu-se das palavras ditas com tanta sinceridade. Mudamos. Eu e você.
   Dói continuar amando alguém que me fez tão mal. Alguém que despedaçou meu coração de forma tão indiferente e cruel. Alguém que disse as mais terríveis palavras sobre mim. Alguém que se foi mesmo depois de prometer que permaneceria ao meu lado para sempre.
   Parece que foi em outra vida que você era tudo pra mim (Sem qualquer resquício de exagero ou poesia forçada). Que mostrei-te todas as facetas do abismo que eu sou, compartilhei com você todos os meus segredos, fragilidades e medos. Que vagamos incansavelmente por caminhos desconhecidos, sem medo e por simples confiança por estarmos um com o outro.
   Você esteve lá. Nas primeiras quedas, ajudando-me a levantar e seguir em frente. Nas primeiras conquistas, com o sorriso mais sincero e as palavras mais ternas. Na calmaria, nas gargalhadas, nos prantos, nos altos e baixos, nas normalidades. Sem reclamar da minha aparente indiferença por saber que os sentimentos eram demonstrados em atos e não em palavras.
   Foi de repente e até hoje não sei descrever ao certo como você se foi. A irmandade tomou traços de desconhecimento. Minha indiferença passou a irritar a poesia gritante que existia em você. Outras pessoas, essas sim, souberam demonstrar a importância que você tinha para elas. Palavras cheias de ódio e impulso foram ditas. Uma, duas, três vezes. Lágrimas, olhares, momentos. Os piores. Idas e voltas, altos e baixos e por fim, cessaram caminhos.
   Do modo mais terrível você saiu da minha vida e não demonstrou vontade de voltar. Nunca mais medos compartilhados. Nunca mais sorrisos sinceros. Nunca mais calmaria completa. O maior irmão e a pessoa mais inocente das minhas memórias tornou-se apenas um desconhecido.
   Ainda é difícil para mim escrever sobre você. Falar de você. Lembrar de tudo. Dói. Tudo mudou e nem parece que faz tanto tempo. Fico extremamente feliz ao ver que você está seguindo seus sonhos como sempre me disse que faria. O que nos separou? A vida, os desencontros, as decepções, a incerteza de que nada volta a ser como antes?
   Chove lá fora. Resta ainda a nostalgia.

I'm getting lonely, I'm sick of waiting here for you, I'm getting lonely, please come home 'cause I want to be with you...

Vitória.

Um comentário:

Talk dirty to me...