terça-feira, fevereiro 04, 2014

Dúvidas, céu e nostalgia

   Eis que você retorna às minhas inspirações. Não por mérito mas sim por consideração. Apesar de todos os aspectos ruins de "nós", você deixou algumas boas lembranças e um sentimento gostoso de nostalgia em mim. Irônico dizer, após tudo o que passou, que você ter estado em minha vida (ainda que apenas de passagem) foi bom.
   Você era a poesia matutina de um sol alaranjado que escalava lentamente o céu. Desvendou mistérios desconhecidos por todos, destruiu barreiras outrora inabaláveis e tornou-me pessoa nova. Brincou com meus cabelos, admirou meus olhos, sorriu como incentivo e foi distração.
   Você foi o mais próximo que eu já cheguei do amor.
   E agora, admirando o pôr-do-sol, consigo enxergar a importância do amanhecer, da queda, do luto. Aprendi que a dor era pungente mas curável. Que o tempo não cessa mas suaviza as lembranças. E que as lágrimas secam independente do que houver.
   Talvez eu ainda não esteja completamente moldada. Talvez você ainda se lembre de mim quando olha para o céu. Talvez nossos caminhos ainda se cruzem. Talvez nada disso tenha realmente acabado. Talvez nossas têmporas ainda vibrem o amor. Quem sabe?
   A paisagem ganhou ares vivos novamente e outros amores já me traçaram os pensamentos. Mas você ainda está aqui guardado e daqui jamais sairá. Você foi único e é imutável, pois as lembranças que despertamos em alguém nos eterniza da forma mais doce e sincera que pode existir. As lembranças são o que eu tenho de melhor sobre você.

Vitória

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Talk dirty to me...